Menu

Mulheres acusam massagista de abusos sexuais em BH

Pelo menos duas mulheres denunciam um massagista de Belo Horizonte por violação sexual mediante fraude.

Homem teria oferecido pacotes de serviços para influencers da capital — Foto: Pixabay/ReproduçãoHomem teria oferecido pacotes de serviços para influencers da capital — Foto: Pixabay/Reprodução

De acordo com informações da advogada das vítimas, Thalita Arcanjo, o homem, de 52 anos, se aproveitava do momento das massagens para cometer os abusos, que incluíam toques nas partes íntimas. A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso.

O crime teria acontecido em 2020, mas veio à tona somente agora, quando uma das mulheres denunciou a situação nas redes sociais.

Segundo Thalita Arcanjo, o homem tem sempre o mesmo modo de agir: faz parceria com influencers e oferece pacotes de serviços para elas.

No momento da massagem, ele tentava deixar as vítimas à vontade e até teria prometido “curas”, dizendo que é um “conhecedor do corpo humano”. Conforme a advogada, não havia violência e grave ameaça.

Condenação

O massagista já havia sido condenado pelo mesmo crime em 2016, segundo Thalita Arcanjo, mas responde em regime aberto. De acordo com ela, é muito importante que, caso haja outras vítimas, elas também denunciem o caso.

“O caso precisa ganhar peso. Queremos encorajar as vítimas, que podem estar com medo”, diz ela.

A reportagem tentou contato com o massagista, mas não obteve retorno. O espaço segue aberto para posicionamento.

Investigação

Em nota, a Polícia Civil informou que “há procedimento investigativo instaurado em desfavor do suspeito”.

“A investigação tramita na Delegacia Especializada de Combate à Violência Sexual - Demid, na capital, e outras informações serão repassadas em momento oportuno”, diz a corporação.

Crime

O crime de violação sexual mediante fraude está previsto no artigo 215 do Código Penal. A pena é de 2 a 6 anos de prisão, e o crime consiste em “ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima”.

Com O Tempo



Publicidade

Links patrocinados MGID