Menu

Bope é acionado, mas descarta suspeita de bomba em mala abandonada em praça de BH

O Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope) foi acionado após uma mala abandonada na praça Leví Coelho da Rocha, conhecida como praça da Boa Viagem, na área Centro-Sul de Belo Horizonte, nesta quarta-feira (3), levantar suspeita de uma bomba.

Foto: Divulgação / Polícia MilitarFoto: Divulgação / Polícia Militar

O trânsito na região da praça, que está localizada no encontro das ruas Goiás e Guajajaras, chegou a ser fechado por agentes da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) devido a suspeita de artefato explosivo.

Com a chegada do Bope, o local foi isolado também por servidores da segurança pública para a atuação dos agentes especializados em artefatos explosivos. Dentro da mala, os militares encontraram apenas roupas. Ainda não há informações que levem os policiais até o dono da bolsa.

Bomba em casa

Um homem, de 39 anos, suspeito de manter uma bomba no apartamento onde mora, em um prédio da avenida Cristiano Machado, na altura do bairro da Graça, na região Nordeste de Belo Horizonte, foi preso nesta segunda-feira (1º) pela Polícia Militar (PM).

A corporação foi acionada por um outro morador do prédio que encontrou um objeto estranho deixado por um vizinho na garagem. Ao chegar no imóvel, os militares identificaram que se tratava de uma bomba improvisada. Ao verificar as câmeras de segurança, os policiais identificaram o dono do material e o abordaram.

De acordo com a corporação, o suspeito mantinha o artefato feito de forma improvisada dentro de seu apartamento e demonstrava aos policiais do 16º Batalhão, que atenderam a ocorrência, grande conhecimento técnico do assunto. O homem também teria relatado aos militares que é simpatizante da religião islâmica e que produziu o artefato com o objetivo de fazer testes.

Com as informações passadas pelo homem e por outras coletadas no local, os militares conseguiram identificar que ele seria membro de uma associação que teria integrantes em Belo Horizonte e Contagem. Dessa forma, ele faria vários experimentos químicos em casa.

Ele teria feito pesquisas sobre como montar uma bomba na plataforma Deep Web, endereços da internet onde é possível a navegação de forma anônima. O computador dele e outros materiais foram apreendidos pelos militares.

O suspeito foi encaminhado para a Central de Flagrantes da Polícia Civil. Ainda não há informações sobre o que ele pretendia explodir com o artefato.

Após a prisão, os militares do 16º Batalhão acionaram os agentes do Batalhão de Operações Especiais (BOPE). No apartamento, os agentes constataram se tratar de uma bomba improvisada, realizaram a intervenção e neutralizaram o artefato.

Com Rádio Itatiaia





Publicidade

Links patrocinados