Menu

Ação desarticula esquema de corrupção em Sete Lagoas e mais cidades de MG; policiais civis são suspeitos de participação

A Polícia Federal (PF) e a Corregedoria de Polícia Civil fazem, na manhã desta terça-feira (28), a Operação Forseti para combater grupo que cometia crimes como corrupção ativa, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em Minas Gerais.

Foto: Divulgação Polícia FederalFoto: Divulgação Polícia Federal

De acordo com investigações, o bando era composto por policiais civis da Delegacia de Repressão ao Furto, Roubo e Desvio de Cargas (Depatri) e foram encontrados indícios de que eles receberam muito dinheiro para "esvaziar o procedimento investigativo" sobre um homem preso em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana.

O suspeito estava com 36 quilos de cocaína em uma casa usada como “laboratório” para o armazenamento, preparo e corte de drogas.

Segundo a polícia, a negociação envolveu a soltura dele e a devolução dos entorpecentes. Ainda segundo as investigações, há pessoas físicas e jurídicas envolvidas no esquema – que eram usadas para ocultar valores conseguidos nos crimes.

Por volta das 16h, a PF informou que cumpriu cinco mandados de prisão preventiva, entre os alvos, três policiais civis. Dois mandados não foram concluídos. Houve, ainda, 20 mandados de busca e apreensão, todos cumpridos. A operação ainda resultou em seis mandados de afastamentos da função pública de policiais, bloqueio de valores em 23 contas bancárias e sequestro de 33 imóveis e diversos veículos.

Foram apreendidos, ainda segundo a PF, 17 armas, 24 carros, duas motos e um quadriciclo.

As ordens judiciais são cumpridas em Belo Horizonte, Contagem, Nova Lima, Ibirité e Sarzedo, na Grande BH, Sete Lagoas, na Região Central, e Juiz de Fora, na Zona da Mata. Participam da operação 104 policiais – sendo 76 federais e 28 civis.

A reportagem sobrevoou o condomínio de luxo Quintas da Jangada, em Ibirité, e mostrou ao vivo a operação policial.

Os presos ficarão à disposição da Justiça e responderão pelos crimes de tráfico de drogas, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Se condenados, podem cumprir até 37 anos de prisão, além de multa.

'Forseti'

De acordo com a PF, Forseti está relacionado à figura mitológica nórdica caracterizada pela representação da justiça e do conhecimento interior.

O que diz a Polícia Civil
Leia a íntegra da nota:

"A Polícia Civil informa que a Corregedoria-Geral da Polícia Civil de Minas Gerais realizou, nesta manhã (28/6), operação conjunta com a Polícia Federal e com o Ministério Público de Minas Gerais, e cumpriu 9 mandados de prisão preventiva e 22 de busca e apreensão na capital e na região metropolitana. A ação é resultado de investigações relacionadas à prática de crimes contra a Administração Pública, entre outros. Os mandados, expedidos pela Vara de Tóxicos, Organizações Criminosas e Lavagem de Dinheiro, foram cumpridos em Belo Horizonte, Nova Lima, Betim e Contagem. Os servidores presos foram recolhidos na Casa de Custódia da Polícia Civil, onde estão à disposição da Justiça".

Operação Terceiro

Uma força-tarefa coordenada pela Polícia Federal e composta também pelas Polícias Militar, Civil e Penal realiza ainda, na manhã desta terça-feira, uma operação que visa desmantelar organização criminosa especializada em tráfico de drogas e lavagem de dinheiro suspeita de subornar policiais.

De acordo com a PF, um dos alvos da organização corrompeu, por meio do advogado, a equipe policial que havia flagrado um de seus laboratórios de processamento de drogas, em Ribeirão das Neves.

Foram pagos mais de R$ 500 mil em suborno para a soltura de um comparsa e a devolução da carga apreendida.

Foi descoberto também que a organização criminosa negociou produtos químicos suficientes para a produção de duas toneladas de cocaína. As movimentações patrimoniais e financeiras do grupo chegaram a cerca de R$ 19,3 milhões em um período de 10 meses.

Ao todo, foram cumpridos três mandados de prisão preventiva, um de prisão temporária e 12 de busca e apreensão nos municípios de Belo Horizonte, Esmeraldas e Ribeirão das Neves, na Grande BH, e Juiz de Fora, na Zona da Mata, onde fica a base operacional da organização criminosa.

Na cidade do interior, a PCMG apreendeu cinco carros, uma moto, uma lancha e um jet ski. Na capital mineira, foram apreendidos três motos e um carro.

Da Redação com G1



Publicidade

Links patrocinados MGID